Análises Conjunturais Análises Conjunturais

A balança comercial fechou o mês de novembro/2016 com saldo positivo US$ 63,304 milhões

Categoria Pai: Análises Conjunturais
Categoria: COMEX - Balança Comercial

A balança comercial fechou o mês de outubro/2016 com saldo positivo US$ 138,140 milhões

Categoria Pai: Análises Conjunturais
Categoria: COMEX - Balança Comercial

A balança comercial fechou o mês de setembro/2016 com saldo positivo US$ 278,631 milhões

Categoria Pai: Análises Conjunturais
Categoria: COMEX - Balança Comercial

A balança comercial fechou o mês de agosto/2016 com saldo positivo US$ 264,148 milhões

Categoria Pai: Análises Conjunturais
Categoria: COMEX - Balança Comercial

A balança comercial fechou o mês de julho/2016 com saldo positivo US$ 239,434 milhões

Categoria Pai: Análises Conjunturais
Categoria: COMEX - Balança Comercial

A balança comercial fechou em junho 2016 com saldo positivo US$ 398,134 milhões

Categoria Pai: Análises Conjunturais
Categoria: COMEX - Balança Comercial

Saldo comercial mais que dobra em relação a maio de 2015

Categoria Pai: Análises Conjunturais
Categoria: COMEX - Balança Comercial

Arrecadação tributária é toda fonte de receita que deriva da arrecadação estatal de tributos, tais como os Impostos, as Taxas, as Contribuições de Melhoria, os Empréstimos Compulsórios e as Contribuições Especiais, todos prefixadas em lei em caráter permanente ou não.

Séries Históricas

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho e Emprego foi criado pelo Governo Federal, através da Lei nº 4.923/65, que instituiu o registro permanente de admissões e dispensa de empregados, sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.

Séries Históricas

 

Este Cadastro Geral serve como base para a elaboração de estudos, pesquisas, projetos e programas ligados ao mercado de trabalho, ao mesmo tempo em que subsidia a tomada de decisões para ações governamentais. É utilizado, ainda, pelo Programa de Seguro-Desemprego, para conferir os dados referentes aos vínculos trabalhistas, além de outros programas sociais. 

Cobertura das Informações 

O CAGED informa, mensalmente, a movimentação do emprego assalariado celetista. Descreve, portanto, uma parcela do total de pessoas que trabalham. Em relação a esta parcela, sua cobertura é expressiva: abrange todo o território nacional; permite desagregar os dados por regiões, mesorregiões, microrregiões, Unidades da Federação e Municípios; e cobre cerca de 85% do universo destes empregados, percentual que se eleva em algumas regiões e setores econômicos. 

Localização Geográfica do Informante 

As informações prestadas pelas empresas ao CAGED referem-se aos vínculos gerados na área geográfica em que está localizada sua planta ou em que ela executa suas atividades, independentemente do local de residência do empregado. Ou seja, o CAGED identifica onde são criados os postos de trabalho. 

Variabilidade dos Dados 

As empresas devem informar todas as movimentações ocorridas no mês de referência. Se a cobertura fosse total – em termos espaciais, setoriais ou de número de empresas – as informações do CAGED teriam caráter censitário, não estando sujeitas a variações. Contudo, até o dia 07 de cada mês, data limite para envio das informações ao MTE, são recebidos cerca de 95% do total de declarações, com os demais 5% sendo incorporados a posteriori no índice de emprego. Ademais, a cobertura do universo não é total, havendo variação por região do país e por setor de atividade. 

Isto significa que quanto menores forem as oscilações de emprego registradas em um determinado mês, maiores as chances de elas serem expressão de fatores de variabilidade destas bases de informação e não de movimentos do mercado de trabalho. 

Período de Referência 

As empresas informam ao CAGED o número de admissões e desligamentos realizados no mês imediatamente anterior. Assim, o índice de emprego divulgado pelo MTE refere-se à variação do emprego celetista ocorrida em um mês. 

Texto elaborado com base em Nota Técnica do MTb – Ministério do Trabalho.

 

 

 

 

Os dados da Balança Comercial de Goiás expõe a movimentação das exportações e importações de mercadorias, bem como o seu saldo.

Séries Históricas

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) é uma pesquisa de previsão e acompanhamento mensal das safras agrícolas, com estimativas de produção, rendimento médio e áreas plantadas e colhidas, desde a fase de intenção de plantio até o final da colheita, de cada cultura investigada, tendo como unidade de coleta os municípios.

A pesquisa tem como abrangência geográfica o Brasil, grandes regiões e unidades da federação. O acompanhamento da evolução das lavouras, durante todo o ciclo vegetativo das 35 culturas investigadas, permite ao final do ano civil a obtenção das estimativas de área, produção e rendimento médio.

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola foi implantado pelo IBGE em novembro de 1972, com o propósito de atender a demandas de usuários por informações estatísticas conjunturais sobre as safras dos produtos agrícolas com maior importância econômica e social para o País, e integra o Plano Geral de Informações Estatísticas e Geográficas, nos termos do Decreto nº 74.084 de 20/05/1974.

São investigados trinta e cinco produtos estabelecidos pelo Plano Único de Estatísticas Agropecuárias, fixados pela CEPAGRO, abaixo relacionados: Abacaxi, Algodão arbóreo, Algodão herbáceo, Alho, Amendoim (em casca), Arroz (em casca), Aveia (em grão), Banana, Batata-inglesa, Cacau (em amêndoa), Café (beneficiado), Cana-de-açúcar, Castanha de caju, Cebola, Centeio, Cevada, Coco-da-baía, Feijão (em grão), Fumo, Guaraná, Juta (fibra), Laranja, Maçã, Malva (fibra), Mamona, Mandioca, Milho (em grão), Pimenta-do-reino, Rami (fibra), Sisal ou agave (fibra), Soja (em grão), Sorgo (em grão), Tomate, Trigo (em grão), Uva. O mecanismo de coleta prevê a realizaçao de levantamentos sobre área plantada e colhida, produção esperada e obtida e produtividade prevista e obtida para os produtos das culturas temporárias e permanentes. 

Área colhida - Parcela da área plantada de cada produto agrícola efetivamente colhida, na data de referência da pesquisa. No caso de culturas temporárias de curta e média duraçao, e nao ocorrendo perda de área por fatores adversos de ordem climática, fitossanitária ou econômica, corresponde à área plantada; para culturas temporárias de longa duração, corresponde à área em que foi colhida a produção; para culturas permanentes, corresponde á área ocupada com pés em produção no ano de referência da pesquisa. Utilizar como unidade de superfície somente o hectare (ha). 

Área plantada - Área plantada de cada produto agrícola, no ano de referenciada pesquisa, considerando-se os diferentes tipos de cultivo existentes: simples, associado e intercalado. É Utilizado como unidade de superfície somente o hectare (ha). 

Ciclo vegetativo - Período de vida da planta, compreendido entre o plantio e a colheita. 

Cultivo associado - Plantio de duas ou mais culturas temporárias numa mesma área, denominada área de associação. Neste caso, considera-se a área plantada para cada cultura igual à área total de associação. 

Cultivo intercalado - Plantio de uma cultura temporária nas ruas de lavouras permanentes. Neste caso, a área plantada da cultura temporária corresponde à área que, em cultivo simples, seria ocupada pela mesma quantidade de sementes utilizada na intercalação. 

Cultivo simples - Plantio de uma única cultura temporária em determinada área. 

Cultura permanente - Cultura de longo ciclo vegetativo, que permite colheitas sucessivas, sem necessidade de novo plantio. 

Cultura temporária - Cultura de curta ou média duração geralmente com ciclo vegetativo inferior a um ano, que após a colheita necessita de novo plantio para produzir. 

Produção esperada - Quantidade de cada produto agrícola que se espera colher em uma determinada área, no ano de referência da pesquisa. Os dados são informados em toneladas, com exceção do abacaxi e do coco-da-baía, que são informados em mil frutos. 

Produção obtida - Quantidade de cada produto agrícola obtida na área colhida, no ano de referência da pesquisa. Os dados são informados em toneladas, com exceção do abacaxi e do coco-da-baía, que são informados em mil frutos. 

Rendimento médio esperado - Produção que se espera obter de cada produto agrícola, por unidade de área. Para os produtos cuja unidade de medida da produção é a tonelada, o rendimento médio é informado em kg/ha; para as frutíferas (abacaxi e coco-da-baía), em frutos/ha.

O saldo total das operações de crédito das instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional é calculado pelo Banco Central do Brasil com base nos balancetes patrimoniais do Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional (COSIF), e divulgado mensalmente através da Nota para Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito (http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPOM).

Séries Históricas

 

As informações do Sistema de Informações de Crédito (SCR) são regulamentadas pela Resolução 3.658, de 17/12/2008, e são compatíveis com os dados da carteira de crédito classificada nas contas de compensação do Cosif. Os dados consolidados da estatística de crédito regional correspondem a aproximadamente 94% da carteira de crédito das instituições financeiras. 

CONCEITOS 

Saldo das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional - Goiás 

Conceito: Saldo em final de período das operações de empréstimo, financiamento, adiantamento e arrendamento mercantil, concedidas pelas instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional (SFN), desagregado em pessoas físicas e jurídicas, por unidades da federação. 

Taxa de inadimplência das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional – Goiás 

Conceito: Taxa de inadimplência das operações de empréstimo, financiamento, adiantamento e arrendamento mercantil, concedidas pelas instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional (SFN), segregada em pessoas físicas e jurídicas, e por unidade da federação; medida pela razão entre o saldo dos contratos em que há pelo menos uma prestação, integral ou parcial, com atraso superior a noventa dias, e o saldo total das operações (exceto saldo de operações de cartão de crédito – compras à vista). 

Fonte: BACEN 

Atualização: Trimestral

A Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) é realizada mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com o objetivo de calcular índices que permitam acompanhar a evolução conjuntural do produto industrial.

Séries Históricas

 

A partir do ano de 2002 o Estado de Goiás passou a ser contemplado na pesquisa, com abrangência geográfica em doze estados da Federação e Região Nordeste. Os 14 locais para os quais são divulgados indicadores compreendem aqueles que, individualmente, contribuem com, no mínimo, 1% da produção industrial do país. Em relação à amostra anterior, esse procedimento resultou na inclusão dos estados do Amazonas, Pará e Goiás. Os estados que não atingem esse mínimo são pesquisados apenas para o índice nacional.

Os indicadores de quantum utilizam dados primários da Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF). O painel de produtos e informantes acompanhado é uma amostra intencional representativa de 63% do Valor da Transformação Industrial da Pesquisa Industrial Anual de Empresas do período de 1998/2000, abrangendo 830 produtos e 3.700 unidades locais, totalizando cerca de 4.900 informações mensais, a partir de janeiro de 2002.

A base de ponderação dos índices é fixa e tem como referência a Pesquisa Industrial Anual de Empresa (PIA-Empresa) e a Pesquisa Industrial Anual de Produto, dos anos de 1998,1999 e 2000. A pesquisa utiliza a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) e a Lista de Produtos Industriais (PRODLIST). 

A fórmula de cálculo adotada é uma adaptação de Laspeyres - base fixa em cadeia, com atualização de pesos. São divulgados quatro tipos de índices:

ÍNDICE BASE FIXA MENSAL (Número-Índice): compara a produção do mês de referência do índice com a média mensal produzida no ano base da pesquisa (2002); 

ÍNDICE MENSAL: compara a produção do mês de referência do índice em relação a igual mês do ano anterior; 

ÍNDICE ACUMULADO: compara a produção acumulada no ano, de janeiro até o mês de referência do índice, em relação a igual período do ano anterior; 

ÍNDICE ACUMULADO 12 MESES: compara a produção acumulada nos últimos 12 meses de referência do índice em relação a igual período imediatamente anterior. Os demais índices (por exemplo, mês/mês anterior) podem ser obtidos pelo usuário a partir do índice base fixa mensal.

A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), realizada mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), produz indicadores que possibilitam acompanhar e analisar o comportamento conjuntural do comércio varejista no país.

Séries Históricas

 

Através da pesquisa, investiga-se a receita bruta de revenda nas empresas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, e cuja atividade principal é o comércio varejista. A pesquisa foi iniciada em janeiro de 1995, apenas na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. A partir do ano 2000, o Instituto passou a produzir indicadores de volume e nominal, desagregados em cinco grupos de atividades, para o Brasil e os estados do Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Distrito Federal. Para realização da pesquisa, foi definida uma amostra de cerca de 9.000 empresas distribuídas nas 27 Unidades da Federação. 

A variável investigada é a receita bruta de revenda, Total e por Unidade da Federação, definida no âmbito da empresa como a receita bruta mensal proveniente da revenda de mercadorias, não deduzidos os impostos incidentes e nem as vendas canceladas, abatimentos e impostos incondicionais, não estando aí incluídas as receitas financeiras e não-operacionais. São construídos a partir destas variáveis, dois índices: Receita Nominal de Vendas e Volume de Vendas. Estes índices são divulgados nos seguintes formatos: 

1 – Índice de Comércio Varejista - Índice-síntese dos seguintes grupos de atividades: 

• Combustíveis e lubrificantes;
• Supermercados, hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo;
• Vestuário, calçados e tecidos;
• Móveis e eletrodomésticos;
• Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria e cosméticos;
• Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação;
• Livros, jornais, revistas e papelaria;
• Outros artigos de uso pessoal e doméstico 

2 – Índices de Comércio Varejista por atividade – Para os segmentos do varejo, relacionados acima, são divulgados índices em nível Brasil e 12 Unidades da Federação selecionadas: Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Distrito Federal. Para estes estados divulgam-se, ainda, resultados para Supermercados hipermercados, que corresponde a um detalhamento da atividade de “Supermercados, hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo”. 

3 - Índices de Comércio Varejista Ampliado - Índice-síntese dos grupos de atividades que compõem o varejo e mais os segmentos de Veículos e Motocicletas, Partes e Peças e de Material de Construção. Divulgados para o Brasil e suas 27 Unidades da Federação. 

4 - Índices de Comércio Varejista Ampliado por Atividade - Para todas as atividades relacionadas no item 1 além de Veículos e motos, partes e peças e de Material de construção são calculados índices para o Brasil e as 12 Unidades da Federação citadas no item 2. 

São divulgados 4 tipos de índices: 

ÍNDICE DE BASE FIXA: Compara os níveis nominais e de volume da Receita Bruta de Revenda do mês com a média mensal obtida no ano de 2003.

ÍNDICE MENSAL: Compara os índices nominais e de volume da Receita Bruta de Revenda do mês com os obtidos em igual mês do ano anterior; 

ÍNDICE ACUMULADO NO ANO: Compara os índices acumulados nominais e de volume da Receita Bruta de Revenda de janeiro até o mês do índice com os de igual período do ano anterior; 

ÍNDICE ACUMULADO DE 12 MESES: Compara os índices acumulados nominais e de volume da Receita Bruta de Revenda dos últimos 12 meses com os de igual período imediatamente anterior.

A pesquisa Mensal de Serviços (PMS) é realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem por objetivo produzir indicadores que permitam o acompanhamento da evolução conjuntural do setor de serviços empresariais não financeiros e de seus principais segmentos, abrangendo o conjunto de atividades do setor.

Séries Históricas

 

O Índice de Serviços – Índice geral sem detalhamento por atividade é calculado para Brasil e suas 27 Unidades da Federação. O detalhamento por atividade é realizado para 12 unidades da Federação selecionadas (Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Distrito Federal) são produzidos indicadores para os seguintes grupos: 

  • Serviços prestados às famílias; 
  • Serviços de informação e comunicação; 
  • Serviços profissionais, administrativos e complementares; 
  • Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio; 
  • Outros serviços. 

Âmbito - A PMS investiga as empresas de serviços que possuam 20 ou mais Pessoas Ocupadas, cuja receita provenha, predominantemente, da atividade de prestação de serviços, e estejam sediadas no território nacional. Para as Unidades da Federação da Região Norte (Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá e Tocantins) são consideradas apenas as que estão sediadas nos municípios das capitais, com exceção do Pará, onde são consideradas aquelas que estão sediadas nos municípios da Região Metropolitana de Belém. 

Unidade de Investigação – A unidade básica de informação da PMS é a empresa, definida como a entidade jurídica caracterizada por firma ou razão social, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ). 

Variável Investigada - A PMS investiga a receita bruta de serviços, total e por Unidade da Federação, definida como a receita proveniente das atividades de prestação de serviços, sem dedução de impostos e contribuições incidentes, abatimentos e descontos incondicionais. Não estão incluídas as receitas financeiras e não operacionais. 

Amostra – Com base na Pesquisa Anual de Serviços – PAS 2008 e dentro do âmbito e da abrangência previamente definidos, foram selecionadas cerca de 9.500 empresas, distribuídas nas 27 Unidades da Federação. 

Série Receita Nominal – A PMS divulga índices de receita nominal, a partir da variável investigada. 

Tipos de Índices – São divulgados quatro tipos de índices: 

  • Índice de Base Fixa: Compara os níveis nominais da Receita bruta de serviços do mês com a média mensal obtida no ano de 2011. 
  • Índice Mês / Igual Mês do Ano Anterior: Compara os índices nominais da Receita bruta de serviços do mês com os obtidos em igual mês do ano anterior. 
  • Índice Acumulado no Ano: Compara os índices acumulados nominais da Receita bruta de serviços de janeiro até o mês do índice com os de igual período do ano anterior; 
  • Índice Acumulado de 12 Meses: Compara os índices acumulados nominais da Receita bruta de serviços dos últimos 12 meses com os de igual período imediatamente anterior. 

Observações: 

Os índices do mês poderão ser alterados na divulgação do mês subsequente, em virtude de retificações nos dados primários por parte dos informantes da pesquisa.

A PNAD Contínua visa produzir indicadores para acompanhar as flutuações trimestrais e a evolução, a médio e longo prazo, da força de trabalho e outras informações necessárias para o estudo e desenvolvimento socioeconômico do País.

Séries Históricas

 

Visando atender a demandas dos usuários, suprir necessidades para a formulação e gestão de políticas públicas, minimizando continuamente as lacunas existentes na produção nacional de estatísticas, o IBGE implantou a PNAD Contínua, que substituirá as estatísticas sobre mercado de trabalho obtidas a partir da Pesquisa Mensal de Emprego - PME e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, potencializando os resultados produzidos por ambas, agregando, em relação à primeira, a cobertura do território nacional e, em relação à segunda, a disponibilização de informações sobre trabalho com periodicidade de divulgação que permitirá a análise conjuntural do tema.

A pesquisa é realizada por meio de uma amostra probabilística de domicílios, extraída de uma amostra mestra de setores censitários, de forma a garantir a representatividade dos resultados para os diversos níveis geográficos definidos: Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação e Regiões Metropolitanas que incluem os municípios das capitais. A cada trimestre, a PNAD Contínua investiga em torno de 211.000 domicílios em aproximadamente 16.000 setores censitários. Em Goiás foram investigados 7.387 domicílios de 545 setores em 144 municípios.

Na PNAD Contínua, as informações sobre o tema trabalho são captadas em dois questionários: um reduzido, restrito às informações sobre o trabalho que gera rendimentos para o domicílio, ou seja, cuja produção é voltada para o mercado; e um ampliado, de nível mais abrangente, aplicado na primeira entrevista de cada domicílio, que inclui além das variáveis contidas no reduzido, informações sobre outras formas de trabalho, cuja produção não é voltada para o mercado.

Para produzir informações trimestrais, o questionário reduzido, juntamente com as características básicas dos moradores (condição no domicílio, sexo, idade, cor ou raça e educação) são investigados em 100% dos domicílios pesquisados em cada trimestre.

Com a implantação desse sistema, o IBGE iniciou uma importante etapa de aprimoramento no seu sistema de pesquisas domiciliares, que propiciará maior eficácia diante de frequentes demandas por informações sobre as condições socioeconômicas e demográficas da população do País.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies , ao continuar navegando, você concorda com estas condições.