PMC - Pesquisa Mensal do Comércio

A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), realizada mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), produz indicadores que possibilitam acompanhar e analisar o comportamento conjuntural do comércio varejista no país.

Séries Históricas

 

Através da pesquisa, investiga-se a receita bruta de revenda nas empresas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, e cuja atividade principal é o comércio varejista. A pesquisa foi iniciada em janeiro de 1995, apenas na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. A partir do ano 2000, o Instituto passou a produzir indicadores de volume e nominal, desagregados em cinco grupos de atividades, para o Brasil e os estados do Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Distrito Federal. Para realização da pesquisa, foi definida uma amostra de cerca de 9.000 empresas distribuídas nas 27 Unidades da Federação. 

A variável investigada é a receita bruta de revenda, Total e por Unidade da Federação, definida no âmbito da empresa como a receita bruta mensal proveniente da revenda de mercadorias, não deduzidos os impostos incidentes e nem as vendas canceladas, abatimentos e impostos incondicionais, não estando aí incluídas as receitas financeiras e não-operacionais. São construídos a partir destas variáveis, dois índices: Receita Nominal de Vendas e Volume de Vendas. Estes índices são divulgados nos seguintes formatos: 

1 – Índice de Comércio Varejista - Índice-síntese dos seguintes grupos de atividades: 

• Combustíveis e lubrificantes;
• Supermercados, hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo;
• Vestuário, calçados e tecidos;
• Móveis e eletrodomésticos;
• Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria e cosméticos;
• Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação;
• Livros, jornais, revistas e papelaria;
• Outros artigos de uso pessoal e doméstico 

2 – Índices de Comércio Varejista por atividade – Para os segmentos do varejo, relacionados acima, são divulgados índices em nível Brasil e 12 Unidades da Federação selecionadas: Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Distrito Federal. Para estes estados divulgam-se, ainda, resultados para Supermercados hipermercados, que corresponde a um detalhamento da atividade de “Supermercados, hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo”. 

3 - Índices de Comércio Varejista Ampliado - Índice-síntese dos grupos de atividades que compõem o varejo e mais os segmentos de Veículos e Motocicletas, Partes e Peças e de Material de Construção. Divulgados para o Brasil e suas 27 Unidades da Federação. 

4 - Índices de Comércio Varejista Ampliado por Atividade - Para todas as atividades relacionadas no item 1 além de Veículos e motos, partes e peças e de Material de construção são calculados índices para o Brasil e as 12 Unidades da Federação citadas no item 2. 

São divulgados 4 tipos de índices: 

ÍNDICE DE BASE FIXA: Compara os níveis nominais e de volume da Receita Bruta de Revenda do mês com a média mensal obtida no ano de 2003.

ÍNDICE MENSAL: Compara os índices nominais e de volume da Receita Bruta de Revenda do mês com os obtidos em igual mês do ano anterior; 

ÍNDICE ACUMULADO NO ANO: Compara os índices acumulados nominais e de volume da Receita Bruta de Revenda de janeiro até o mês do índice com os de igual período do ano anterior; 

ÍNDICE ACUMULADO DE 12 MESES: Compara os índices acumulados nominais e de volume da Receita Bruta de Revenda dos últimos 12 meses com os de igual período imediatamente anterior.

Publicações

Varejo goiano cresceu 1,8% na comparação com ajuste sazonal

10 Setembro 2020
A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC/IBGE) mostra que na comparação com ajuste sazonal, ou seja, na passagem de junho para julho de 2020 o volume de vendas do comércio varejista goiano cresceu 1,8%. Um dos motivos do resultado pode ser atribuído à reabertura do comércio na segunda quinzena do mês de julho, conforme decreto do governo estadual de combate à pandemia da Covid-19.

Varejo goiano apresentou queda de 3,2% em junho

13 Agosto 2020
Na mesma base de comparação, o comércio brasileiro cresceu 0,5%. Em Goiás o segmento de móveis e eletrodomésticos apresentou crescimento de 37,1% na comparação sem ajuste sazonal. O acumulado do ano para o comércio varejista restrito é de -6,2% e para o comércio varejista ampliado de -7,4%.

Varejo goiano apresentou queda de 7,4% em maio

13 Agosto 2020
A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC/IBGE) mostra que na comparação com ajuste sazonal, ou seja, na passagem de abril para maio de 2020 o volume de vendas do comércio varejista goiano cresceu 19,4%.

Varejo goiano apresentou queda de 15,8% em abril

19 Junho 2020
Na mesma base de comparação, o comércio brasileiro recuou 16,8%. Em Goiás o segmento de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (8,5%) apresentou o maior avanço no período. O comércio varejista restrito acumula uma taxa -6,3% no ano.

Varejo goiano teve queda de 8,3% em março / 2020 na comparação interanual

23 Mai 2020
A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC/IBGE) mostra que na comparação com ajuste sazonal, ou seja, na passagem de fevereiro para março de 2020, o volume de vendas do comércio varejista goiano recuou 5,4%. Na mesma comparação, o comércio brasileiro apresentou declínio de 2,5%.

Varejo goiano avança 4,9 % em fevereiro na comparação interanual

13 Abril 2020
A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC/IBGE) mostra que na comparação com ajuste sazonal, ou seja, na passagem de janeiro para fevereiro de 2020, o volume de vendas do comércio varejista goiano avançou 2,3%, sendo o melhor resultado desde dezembro de 2018.

Varejo goiano cresce 0,4% em janeiro de 2020

01 Abril 2020
Na mesma base de comparação, o comércio brasileiro teve queda 1,0%. Em Goiás o subsegmento de móveis (21,2%) e o segmento de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (16,3%) apresentaram os maiores avanços no período, na comparação sem ajuste sazonal. Já o comércio varejista ampliado acumula uma taxa de 3,0% nos últimos 12 meses.