Indústria goiana volta a crescer em abril, 4,5%

Conforme apurado pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM/IBGE), a produção industrial e Goiás teverecuo1,5%, na série com ajuste sazonal, ou seja, na comparação de abril com março de 2018. Nesta mesma comparação o Brasil registrou 0,8% de expansão. Dos quinze locaispesquisados, dez apresentaram resultadospositivos, com destaque para as produções industriais da Bahia (7,0%) e doRio de Janeiro (6,0%), que registraram os maiores avanços. Por outro lado, Pará (-8,1%) e Amazonas (-4,1%) registraram os recuos mais elevados nesse mês.

 

 

Na comparação com abril de 2017, na série sem ajuste sazonal, a indústria goiana apresentouexpansão de 4,5%.A indústria nacional registrouaumento de 8,9%. Desta forma,o setor fabril goiano atingiu 1,0% de janeiro a abril de 2018 e 3,9% no acumulado dos últimos 12 meses. A indústria do país apresentou taxas de 4,5% e 3,9% nas mesmas comparações. Vale citar que abril de 2018 (21 dias) teve três dias úteis a mais do que igual mês do ano anterior (18 dias).Nesse mês, São Paulo (14,8%), Santa Catarina (14,6%), Mato Grosso (14,4%), Amazonas (13,2%) e Paraná (12,8%) assinalaram as expansões mais elevadas. Ainda com taxas positivas e acima da média nacional vieram, Pernambuco (11,7%), Rio Grande do Sul (11,4%) e Rio de Janeiro (9,6%), enquanto Ceará (6,1%), Bahia (5,4%), Minas Gerais (5,4%), Goiás (4,5%) e Região Nordeste (3,5%) completaram o conjunto de locais com crescimento na produção nesse mês. Por outro lado, Espírito Santo (-2,1%) e Pará (-0,7%) foram os locais que apontaram recuos em abril de 2018, os dados estão apresentados na Tabela 1 e nos Gráficos 1, 2, 3 e 4.

 

 

Na Tabela 2 é apresentado o desenvolvimento de cada atividade analisada em Goiás e suas respectivas comparações com o Brasil. O principal destaque no volume de produção no mês de abril/18 na indústria goiana foi na atividade deFabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (21,1%), com contribuição de 1,79 pontos percentuais (p.p) para o resultado geral. Essa atividade foi impulsionada positivamente pela maior produção na fabricação de medicamentos. A atividade de Fabricação de produtos de minerais não-metálicos expandiu em volume 19,7%, puxada pelo aumento na fabricação de cimento, elementos pré-fabricados para construção civil, chapas, painéis, telhas, canos, tubos e outros insumos para construção civil. A indústria Alimentícia, com peso de aproximadamente 55,0% teve a maiorcontribuição no índice geral, com 2,80 pontos percentuais, desta forma cresceu em volume 5,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior. O aumento na fabricação de produtos alimentícios, deu-se principalmente pela expansão naprodução de óleo de soja em bruto, resíduo da extração de soja e carnes de bovinos frescas ou refrigeradas.

 

 

Por outro lado, a indústria de Coque, Produtos Derivados do Petróleo e Biocombustíveisexerceu o principal impacto negativono índice geral,-0,85 p.p,em termos de volume de produção, recuou 4,5%, puxada pela menor produção de álcool etílico. Em seguidaveio a atividade de Outros Produtos Químicos, apesar de menor intensidade, impactou negativamente -0,45 p.p e apresentou queda de 16,9% no volume, explicada pela menor produção de adubos ou fertilizantes, superfosfato e outros insumos para produção agrícola.

 

 

Entre as atividades,no confronto com igual mês do ano anterior,  a indústria brasileira apresentou crescimento expressivo na fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (40,6%) e na fabricação de produtos alimentícios (12,0%), que exerceram as maiores influências positivas na formação da média da indústria, impulsionadas, em grande parte, pela maior fabricação dos itens automóveis, caminhão-trator para reboques e semirreboques, caminhões e autopeças, na primeira; e açúcar cristal, VHP e refinado de cana-de-açúcar, carnes de bovinos congeladas, frescas ou refrigeradas, tortas, bagaços, farelos e outros resíduos da extração do óleo de soja, biscoitos e bolachas, bombons e chocolates em barras, sorvetes, picolés, café torrado e moído e óleo de soja em bruto, na segunda (Tabela 2).

 

 

No confronto com igual mês do ano anterior, a produção industrial goiana voltou a crescer depois de dois meses consecutivo de queda, fevereiro (-1,1%) e março (-1,7%) e com o índice mensal de abril de 2018 de 4,5% acentua-se a magnitude de crescimento frente aos meses anteriores. Mas vale ressaltar que, no resultado desse mês, verifica-se a influência tanto da baixa base de comparação, uma vez que o total da indústria mostrou queda de 7,1% em abril de 2017, como do efeito calendário, já que abril de 2018 teve três dias úteis a mais do que igual mês do ano anterior. Assim, no índice acumulado do primeiro quadrimestre do ano permanece o comportamento positivo, com destaque para os avanços vindos dos setores associados à produção Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos e Fabricação de produtos alimentícios

 

Tabela 1 - Indicadores Regionais da Indústria -abril/2018

 

 

Local

 

 

Taxa de Variação (%)

 

 

Com Ajuste Sazonal

 

 

Sem Ajuste Sazonal

 

 

Abril 18/ março 18

 

 

abril 18/     abril 17

 

 

Acumulado abril 18 *

 

 

Acumulado 12 meses **

 

 

Brasil

 

 

0,8

 

 

8,9

 

 

4,5

 

 

3,9

 

 

Nordeste

 

 

5,6

 

 

3,5

 

 

0,7

 

 

0,5

 

 

Amazonas

 

 

-4,1

 

 

13,2

 

 

21,5

 

 

10,1

 

 

Pará

 

 

-8,1

 

 

-0,7

 

 

6,8

 

 

10,2

 

 

Ceará

 

 

-1,3

 

 

6,1

 

 

4,1

 

 

4,4

 

 

Pernambuco

 

 

2,1

 

 

11,7

 

 

3,5

 

 

-0,2

 

 

Bahia

 

 

7,0

 

 

5,4

 

 

2,3

 

 

1,5

 

 

Minas Gerais

 

 

4,4

 

 

5,4

 

 

-0,8

 

 

0,4

 

 

Espírito Santo

 

 

1,4

 

 

-2,1

 

 

-5,0

 

 

-1,3

 

 

Rio de Janeiro

 

 

6,0

 

 

9,6

 

 

4,1

 

 

3,9

 

 

São Paulo

 

 

0,3

 

 

14,8

 

 

7,7

 

 

6,6

 

 

Paraná

 

 

3,3

 

 

12,8

 

 

2,2

 

 

3,9

 

 

Santa Catarina

 

 

1,9

 

 

14,6

 

 

7,1

 

 

5,8

 

 

Rio Grande do Sul

 

 

2,2

 

 

11,4

 

 

3,4

 

 

1,4

 

 

Goiás

 

 

-1,5

 

 

4,5

 

 

1,0

 

 

3,9

 

 

Mato Grosso

 

 

-0,1

 

 

14,4

 

 

3,9

 

 

5,7

 

 

Fonte: IBGE

 

 

Elaboração: Instituto Mauro Borges/Segplan-GO/ Gerência de Contas Regionais e Indicadores 2018.

 

 

*Base: Igual período do ano anterior

 

 

**Base: últimos doze meses anteriores

 

 

 

 

 

Tabela 2 - Produção Industrial (Goiás e Brasil – Taxa de Crescimento (%) – abril/2018

 

 

Atividades

 

 

Taxa de Variação (%)

 

 

Sem Ajuste Sazonal

 

 

abril 18/  abril 17

 

 

Acumulado

 

 

janeiro-abril 18*

 

 

Acumulado 12 meses

 

 

Brasil

 

 

Indústria Geral

 

 

8,9

 

 

4,5

 

 

3,9

 

 

 

Indústria Extrativa

 

 

0,1

 

 

-2,0

 

 

0,7

 

 

 

Indústria de Transformação

 

 

10,3

 

 

5,5

 

 

4,4

 

 

 

Fabricação de produtos alimentícios

 

 

12,0

 

 

4,8

 

 

4,2

 

 

 

Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis

 

 

0,4

 

 

-4,2

 

 

-2,5

 

 

 

Fabricação de outros produtos químicos

 

 

2,6

 

 

-0,9

 

 

0,0

 

 

 

Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos

 

 

5,6

 

 

7,3

 

 

-2,3

 

 

 

Fabricação de produtos de minerais não-metálicos

 

 

3,7

 

 

0,6

 

 

-1,0

 

 

 

Metalurgia

 

 

7,4

 

 

8,0

 

 

5,8

 

 

 

Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos

 

 

9,5

 

 

3,0

 

 

1,1

 

 

 

Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias

 

 

40,6

 

 

25,2

 

 

22,5

 

 

 

Goiás

 

 

Indústria Geral

 

 

4,5

 

 

1,0

 

 

3,9

 

 

 

Indústria Extrativa

 

 

-3,4

 

 

1,6

 

 

3,0

 

 

 

Indústria de Transformação

 

 

5,0

 

 

0,9

 

 

4,0

 

 

 

Fabricação de produtos alimentícios

 

 

5,4

 

 

0,8

 

 

2,0

 

 

 

Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis

 

 

-4,5

 

 

-4,4

 

 

6,9

 

 

 

Fabricação de outros produtos químicos

 

 

-16,9

 

 

-13,1

 

 

-8,8

 

 

 

Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos

 

 

21,1

 

 

5,3

 

 

15,7

 

 

 

Fabricação de produtos de minerais não-metálicos

 

 

19,7

 

 

9,2

 

 

-6,6

 

 

 

Metalurgia

 

 

7,0

 

 

2,2

 

 

5,6

 

 

 

Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos

 

 

0,6

 

 

-15,3

 

 

-14,1

 

 

 

Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias

 

 

12,1

 

 

16,4

 

 

18,7

 

 

 

                 

Fonte: IBGE

 

 

Elaboração: Instituto Mauro Borges/Segplan-GO/ Gerência de Contas Regionais e Indicadores 2018.

 

 

*Base: Igual período do ano anterior

 

 

 

 

 

 

Quadro 1 - Produtos de maior influência por atividade- Goiás - abril de 2018

 

 

Atividades de Indústria

 

 

Abril 2018/ abril 2017

 

 

Acumulado janeiro-abril

 

 

Descrição do produto

 

 

Sinal

 

 

Descrição do produto

 

 

Sinal

 

 

Indústrias extrativas

 

 

fosfatos de cálcio naturais, fosfatos aluminocálcicos e cré fosfatado

 

 

-

 

 

minérios de cobre em bruto ou beneficiados

 

 

+

 

 

amianto em fibras ou em pó

 

 

-

 

 

amianto em fibras ou em pó

 

 

-

 

 

castinas e pedras calcárias

 

 

+

 

 

castinas e pedras calcárias

 

 

+

 

 

minérios de cobre em bruto ou beneficiados

 

 

+

 

 

pedras britadas

 

 

+

 

 

pedras britadas

 

 

+

 

 

fosfatos de cálcio naturais, fosfatos aluminocálcicos e cré fosfatado

 

 

-

 

 

Produtos alimentícios

 

 

açúcarvhp

 

 

-

 

 

milho preparado ou conservado

 

 

-

 

 

óleo de soja em bruto

 

 

+

 

 

óleo de soja em bruto

 

 

+

 

 

resíduos da extração de soja

 

 

+

 

 

extrato, purês e polpas de tomate

 

 

+

 

 

leite esterilizado

 

 

-

 

 

açúcarvhp

 

 

-

 

 

carnes de bovinos frescas ou refrigeradas

 

 

+

 

 

óleo de soja refinado

 

 

-

 

 

Coque, Produtos Derivados do

 

 

Petróleo e Biocombustíveis

 

 

álcool etílico

 

 

-

 

 

álcool etílico

 

 

-

 

 

biodiesel

 

 

+

 

 

biodiesel

 

 

+

 

 

Outros produtos químicos

 

 

superfosfatos

 

 

-

 

 

adubos ou fertilizantes com fósforo e potássio

 

 

-

 

 

 

fosfatos de monoamônio

 

 

-

 

 

adubos ou fertilizantes com nitrogênio, fósforo e potássio (NPK)

 

 

-

 

 

 

adubos ou fertilizantes com fósforo e potássio

 

 

-

 

 

superfosfatos

 

 

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.