Análises Conjunturais Operações de Crédito avançam 16,98% em 2014

Categoria Pai: Análises Conjunturais
Categoria: Operações de Crédito

A atividade econômica no Brasil tem passado por uma desaceleração o que tem exigido modificação nas políticas fiscal e monetária para readequar a atividade econômica, assim sendo uma das medidas na política monetária que tem sido tomada é o aumento da taxa SELIC, afetando diretamente as operações de crédito. A partir desse cenário, para o Brasil, em 2014, de acordo com o Banco Central houve uma expansão de 11,3% no ano nas operações de crédito, porém menor que no ano anterior, 14,7% em 2013. Enquanto para Goiás registrou expansão de 9,03% no segundo semestre de 2014 e de 16,98% no ano, (comparativamente a 17,62% em 2013), o que apesar de evidenciar uma pequena desaceleração na expansão, demonstra que o ritmo de crescimento se mantém acima da taxa do Brasil.

Com base nos dados do BACEN, em dezembro de 2014 o saldo acumulado do total das operações de crédito realizadas pelas instituições financeiras em Goiás alcançou R$ 102,2 bilhões. Do total apurado, R$ 60,6 bilhões (59,3%) referem-se ao saldo das operações de crédito das pessoas físicas, com alta de 8,92% em comparação a junho, e de 17,85% em relação a dezembro do ano anterior. Já o saldo das operações de crédito realizadas pelas pessoas jurídicas, que foi de R$ 41,6 bilhões (40,7% do total), apresentou aumento de 9,18% em relação a junho passado e uma elevação de 15,75% em relação a dezembro de 2013.

A taxa de inadimplência total do saldo das operações de crédito em Goiás atingiu a média de 2,92% em dezembro, indicando uma leve redução em relação ao inicio do segundo semestre deste ano, sendo 3,33% referente às pessoas físicas e 2,34% às pessoas jurídicas. As baixas taxas de inadimplência refletem o comprometimento tanto das pessoas físicas quanto das jurídicas em honrarem seus contratos de crédito. Para o BACEN, a taxa de inadimplência é medida pela razão entre o saldo dos contratos em que há pelo menos uma prestação, integral ou parcial, com atraso superior a noventa dias, e o saldo total das operações.

 

 

Tabela 1 - Estado de Goiás: Saldo das Operações de Crédito – 2014

Mês/Ano

Saldo das Operações de Crédito (R$ bilhões)

Taxa de Inadimplência (%)

 Pessoas Físicas

Pessoas Jurídicas

Total

Pessoas Físicas

Pessoas Jurídicas

Total

dez/13

51,4

36,0

87,4

3,65

2,15

3,02

jan/14

52,2

35,8

88,0

3,59

2,21

3,01

fev/14

52,6

36,3

88,9

3,53

2,12

2,94

mar/14

53,0

36,9

89,9

3,55

2,12

2,95

abr/14

53,9

37,5

91,4

3,52

2,14

2,94

mai/14

54,8

37,9

92,7

3,52

2,29

3,01

jun/14

55,6

38,1

93,8

3,46

2,17

2,93

jul/14

56,0

38,1

94,1

3,51

2,33

3,02

ago/14

56,7

38,0

94,7

3,61

2,58

3,19

set/14

57,3

40,5

97,7

3,45

2,47

3,04

out/14

58,2

40,6

98,8

3,52

2,53

3,1

nov/14

59,1

40,7

99,8

3,47

2,45

3,05

dez/14

60,6

41,6

102,2

3,33

2,34

2,92

Fonte: BACEN.

Elaboração: Instituto Mauro Borges / Segplan-GO / Gerência de Estudos Socioeconômicos e Especiais – 2015.



A variação do saldo das operações de crédito em porcentagem em Goiás para pessoas físicas elevou 17,85% em dezembro comparado ao mesmo mês do ano anterior, comparativamente com a variação entre 2012/2013, houve uma desaceleração sobre a taxa de crescimento, e comparado aos meses do mesmo semestre há certa estabilidade, com algumas variações neste saldo. Porém, quanto ao das pessoas jurídicas houve um aumento de 15,75% em dezembro comprado ao mesmo mês do ano anterior, comparativamente com a variação entre 2012/2013, houve um pequeno aumento na taxa de crescimento, contudo na série observa-se que houve grandes oscilações nas variações do período analisado.




Embora não tenha estatísticas disponíveis no BACEN para verificar o montante de crédito contratado anualmente. Uma possibilidade é confrontar o saldo das operações de créditos do ano de 2014, como verificado no ano de 2013. Neste sentido, houve acréscimo de R$ 14,8 bilhões no estoque de crédito, resultado do fluxo de novas contratações e pagamentos efetuados.

Tanto o crédito empresarial quanto o destinado ao consumidor tem sido fundamental para a elevação do consumo e produção, consequentemente contribuindo para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Goiás. Desde 2004, primeiro ano com dados disponíveis sobre crédito no estado, o saldo acumulado do total das operações realizadas pelas instituições financeiras, comparado com o PIB, mostra que a participação vem crescendo ano a ano. Em 2004 o saldo das operações de crédito no Estado representava 26,1% do PIB goiano, com R$ 12,5 bilhões em estoque de crédito e um PIB de R$ 48 bilhões. No ano de 2014, a relação crédito/PIB alcança 70,8%, com R$ 102,2 bilhões no saldo das operações de crédito e um PIB estimado de R$ 144,3 bilhões. O saldo das operações de crédito fornecido pelo Banco Central do Brasil (BACEN) refere-se ao estoque de crédito em circulação, ou seja, são as contratações de crédito deduzidos os pagamentos.

 

 

 

 

 

Equipe de Conjuntura do IMB:

Marcos Fernando Arriel

Paulo Jackson Bezerra Vianna

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.