Vendas no comércio varejista crescem 11,70% no 3º trimestre em Goiás.


Segundo a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Comércio Varejista de Goiás apresentou em setembro, em termos de volume de vendas, acréscimos da ordem de 12,86% sobre setembro do ano anterior, de 13,35% no acumulado do ano e 11,70% no 3º trimestre de 2010. Para os mesmos indicadores, a receita nominal de vendas apresentou taxas de variação de 14,62%, 13,80% e de 12,35%, respectivamente.

Em Goiás o incremento no volume de vendas em setembro no acumulado do ano e no 3º trimestre ficou acima do percentual nacional tanto no índice do comércio varejista geral quanto no ampliado. No índice geral de receita nominal de vendas, os resultados para Goiás em setembro, no ano e no trimestre foram menores que o nacional. Já no índice de receitas do comércio varejista ampliado, as variações para Goiás foram maiores, conforme é demonstrado nas tabelas 1 e 2.
 

Tabela 1 - Estado de Goiás e Brasil: Variação do Volume de Vendas no comércio varejista - 3º Trimestre/2010

 

Variação (%)

 

Brasil

Goiás

 

set*

No ano

3º Tri

set*

No ano

3º Tri

Comércio varejista geral

11,82

11,36

11,13

12,86

13,35

11,70

Combustíveis e Lubrificantes

10,30

6,79

9,14

8,04

2,87

6,58

Hipermercados supermercados produtos alimentícios, bebidas e fumo

9,74

10,02

9,31

9,40

10,18

7,97

Hipermercados e Supermercados

9,42

9,69

8,94

9,63

10,31

8,14

Tecidos, vestuários e calçados

12,56

11,04

12,79

14,91

15,08

17,48

Móveis e eletrodomésticos

14,35

18,39

14,44

16,67

21,29

15,65

Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos

11,58

11,68

10,72

17,80

17,22

15,16

Livros, jornais, revistas e papelaria

9,71

8,75

10,25

-1,86

1,12

5,45

Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação

28,51

25,31

24,37

40,44

3,76

15,64

Outros artigos de uso pessoal e doméstico

15,82

8,52

13,19

19,23

9,95

19,19

Comércio varejista ampliado geral

5,93

11,40

10,76

8,09

14,14

13,33

Veículos, motores, partes e peças

-3,97

10,71

9,13

3,46

14,47

15,34

Material de construção

16,78

16,43

17,26

11,81

18,10

10,70

* Variação em relação ao mesmo mês do ano anterior

 

 

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.

 

 

 

Tabela 2 - Estado de Goiás e Brasil: Variação da Receita Nominal no comércio varejista - 3º Trimestre/2010

 

Variação (%)

 

Brasil

Goiás

 

set*

No ano

3º Tri

set*

No ano

3º Tri

Comércio varejista geral

15,17

14,43

13,92

14,62

13,80

12,35

Combustíveis e Lubrificantes

11,81

9,34

10,39

3,52

-1,72

-0,53

Hipermercados supermercados produtos alimentícios, bebidas e fumo

13,44

13,35

11,94

13,16

12,16

9,91

Hipermercados e Supermercados

13,03

12,99

11,54

13,33

12,25

10,04

Tecidos, vestuários e calçados

17,93

16,75

18,39

17,13

17,63

19,19

Móveis e eletrodomésticos

17,55

19,97

17,49

17,90

20,91

16,68

Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos

15,12

15,57

14,11

21,30

21,15

18,68

Livros, jornais, revistas e papelaria

12,92

13,05

13,78

-0,53

4,26

7,29

Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação

20,67

16,19

14,85

26,54

-4,10

4,63

Outros artigos de uso pessoal e doméstico

22,47

15,88

19,58

25,45

16,36

25,02

Comércio varejista ampliado geral

9,22

14,12

13,54

10,77

15,71

15,22

Veículos, motores, partes e peças

-2,64

12,06

10,90

5,32

16,19

17,67

Material de construção

22,09

21,15

22,45

21,18

26,02

19,80

* Variação em relação ao mesmo mês do ano anterior

 

 

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.

 

 


 

Atentando-se para a média móvel de 03 meses das vendas (Gráfico 1), percebe-se a expressiva recuperação das vendas no comércio com variações em 2010 bastante superiores às de 2009. A média móvel de 03 meses de setembro de 2009 apresentou 3,71% de crescimento enquanto a de setembro de 2010 apresentou variação de 11,72%.

Na média móvel de 12 meses, as vendas superam o patamar anterior ao período de crise econômica. Esse índice vem apresentando taxas de variação crescentes e a média móvel de 12 meses do mês de setembro apresenta um crescimento de 13,03%, sendo a maior média móvel de 12 meses observada desde 2007.

Na média móvel de 3 meses, a receita de vendas, que também apresentou quedas no crescimento em 2009, em setembro apresentou um aumento de 12,38%, retornando ao índice anterior à crise (Gráfico 2). A média móvel de 12 meses em setembro apresentou um acréscimo de 13,47%.


 

 

RESULTADOS SETORIAIS

Nos resultados sobre o mesmo período do ano anterior, nove das dez atividades (incluindo o comércio varejista ampliado) obtiveram variações positivas em termos de volume de vendas, listadas a seguir pela ordem decrescente de magnitude das taxas: Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (40,44%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (19,23%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (17,80%); Móveis e eletrodomésticos (16,67%); Tecidos, vestuário e calçados (14,91%); Material de construção (11,81%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (9,40%); Combustíveis e lubrificantes (8,04%) e Veículos e motos, partes e peças (3,46%). A atividade com variação negativa foi Livros, jornais, revistas e papelaria (-1,86%).

O segmento de Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação obteve o melhor desempenho nas vendas com acréscimo de 40,44% e de 26,54% na receita na relação setembro10/setembro09 influenciado pelo baixo índice apresentado em 2009. No trimestre, esta atividade apresentou um crescimento de 15,64% no volume de vendas e de 4,63% na receita nominal.

A atividade Outros artigos de uso pessoal e doméstico, que engloba segmentos como lojas de departamentos, ótica, joalheria, artigos esportivos, brinquedos etc., apresentou um crescimento no volume de vendas na relação setembro10/setembro09 de 19,23%. No acumulado do 3º trimestre de 2010 este segmento apresenta incremento de 19,19%. Esse resultado se deu por conta da atividade ser influenciada, em boa medida, pela evolução da massa de salários que teve aumento substancial nos últimos meses.

O segmento Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria apresentou crescimento de 17,80% nas vendas na comparação com setembro do ano passado e taxa acumulada de 17,22% no ano. Para estes indicadores, o crescimento na receita nominal de vendas foi de 21,30% e 21,15%, respectivamente. No trimestre o crescimento para o volume de vendas e para a receita nominal foi de respectivos 15,16% e 18,68%. Os principais fatores a contribuir para isto foram a manutenção do crescimento da massa real de salários; a ampliação da oferta de medicamentos genéricos – estimulando o consumo por alternativas mais vantajosas de preços; e a própria essencialidade dos produtos do gênero. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), entre os estados fabricantes de cosméticos, perfumaria e produtos de higiene pessoal no Brasil, Goiás apresentou o crescimento mais veloz nos últimos cinco anos.

O aumento de 16,67% no volume de vendas e de 17,90% na receita nominal em relação a setembro do ano passado da atividade Móveis e eletrodomésticos é decorrente das vendas relacionadas ao evento da Copa do Mundo, aliado a ampla oferta de crédito. No trimestre, o segmento revela uma taxa de desempenho de 15,65% para o volume de vendas e de 16,68% para a receita nominal de vendas.

O segmento Tecidos, vestuário e calçados, apresentou crescimento de 14,91% nas vendas na comparação com setembro do ano passado. As taxas acumuladas no ano e do trimestre também foram positivas, com acréscimos respectivos de 15,08% e 17,48%. Para a receita nominal de vendas estes indicadores apresentaram resultados positivos de 17,13%, 17,63% e 19,19%, respectivamente. A atividade continua sua trajetória de taxas positivas mesmo com os aumentos de preços no segmento, a saber: 5,9% de variação no grupo vestuário, contra acréscimos de 4,7% no índice geral, no acumulado dos últimos 12 meses, segundo o IPCA.

A atividade Material de Construção, que faz parte do comércio varejista ampliado, apresentou resultado positivo com alta no volume de vendas de 11,81% no mês e de 10,70% no acumulado do trimestre. Esses resultados sinalizam a recuperação do setor dos efeitos da crise financeira, através da redução do IPI para um conjunto de produtos básicos do ramo, implementado a partir de abril/09, do aumento da confiança dos agentes econômicos e do crescimento observado no setor em Goiás.

Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo apresentou variação de 9,40% nas vendas em setembro, sobre igual mês do ano anterior, 10,18% no ano e 7,97% no 3º trimestre. A variação da receita nominal da atividade em setembro10/setembro09, no ano e no trimestre foi de 13,16%, 12,16% e 9,91%, respectivamente. Este desempenho foi proporcionado em grande parte pelo aumento da massa real de salários e pela estabilização dos preços dos alimentos; aliados à ampliação do programa de transferência de renda, que tem no bolsa família o principal destaque.

A atividade Combustíveis e lubrificantes apresentou variação no volume de vendas, na comparação com o ano anterior, de 8,04% e a receita nominal apresentou crescimento de 3,52%. No acumulado do ano há crescimento de 2,87% no volume de vendas e queda de 1,72% na receita nominal. No trimestre os resultados foram de 6,58% para vendas e -0,53% para receitas.

A atividade Veículos e motores, partes e peças, que integra o Comércio Varejista Ampliado, apresentou resultado positivo no volume de vendas na relação setembro10/setembro09, 3,46%. No acumulado do ano, o crescimento é de 14,47%. No que diz respeito à receita nominal de vendas, esta atividade apresenta crescimento de 5,32% quando comparado setembro de 2010 com o ano anterior, e de 16,19% no ano. No trimestre o crescimento para o volume de vendas e para a receita nominal foi de respectivos 15,34% e 17,67%. Os emplacamentos de veículos novos no mercado brasileiro somaram 307.043 unidades em setembro, queda de 0,54% ante igual mês de 2009, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Livros, jornais, revistas e papelaria apresentou variação nas vendas em setembro, sobre igual mês do ano anterior, de -1,86%, variação de 1,12% no ano e de 5,45% no 3º trimestre. As variações de receita nominal foram de -0,53% sobre setembro de 2009, 4,26% no acumulado do ano e de 7,29% no trimestre.

Equipe de Conjuntura da Seplan:
Daniela Vieira de Oliveira
Dinamar Ferreira Marques
Eduiges Romanatto
Marcos Fernando Arriel
Maria de Fátima Mendonça Faleiro Rocha


 

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.