Indústria goiana recua 4,8% em agosto comparado ao mês de julho

Em agosto de 2010, a produção industrial de Goiás ajustada sazonalmente recuou 4,8% frente ao patamar de julho, após avançar 9,5% no mês anterior. Ainda na série com ajustamento sazonal, o índice de média móvel trimestral recuou 2,3% entre os trimestres encerrados em julho e agosto, e manteve a trajetória descendente iniciada em maio último.

Gráfico 1

Produção Industrial – Goiás

Índices de Base Fixa (2002=100)

Série com Ajuste Sazonal



Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria

 

Nos confrontos com iguais períodos do ano passado, os índices permaneceram positivos: 4,6% em relação a agosto de 2009, décima taxa positiva consecutiva nesse tipo de comparação, e 16,8% no acumulado do período janeiro-agosto. A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos doze meses, ao crescer 12,9%, praticamente repetiu o resultado de julho (12,8%).

No confronto com agosto do ano passado, a produção global da indústria goiana assinalou expansão de 4,6%, com quatro das cinco atividades apontando crescimento na produção. A principal contribuição positiva ficou com o setor de alimentos e bebidas (5,0%), seguido por minerais não metálicos (18,4%), produtos químicos (5,0%) e indústrias extrativas (7,4%). Nesses ramos, sobressaíram os avanços na fabricação dos itens maionese e refrigerantes; cimentos e ladrilhos; adubos e fertilizantes; e amianto. Por outro lado, o único resultado negativo foi observado no setor de metalurgia básica (-16,1%), pressionado em grande parte pelo recuo na produção de ferroníquel, ferronióbio e ouro em barras.

Tabela 1

Estado de Goiás: Pesquisa Industrial – agosto/2010

(Base: Igual período do ano anterior =100)

(%)

Segmentos

Mensal

Acumulado no ano

Últimos 12 meses

Indústria geral

4,6

16,8

12,9

Indústria extrativa

7,4

3,7

2,3

Indústria de transformação

4,4

18,1

13,9

  Alimentos e bebidas

5,0

7,2

2,6

Produtos químicos

5,0

87,0

77,6

Minerais não metálicos

18,4

16,6

14,5

Metalurgia básica

-16,1

-5,9

2,5

 

 

 

 

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria

 

 

 

 

 A produção acumulada nos oito primeiros meses do ano ficou em 16,8%,explicada principalmente pelo desempenho positivo de quatro dos cinco setores pesquisados, com destaque para a liderança de produtos químicos(87,0%), impulsionado em grande parte pela maior fabricação de medicamentos e adubos e fertilizantes. Os demais resultados positivos vieram de alimentos e bebidas (7,2%), minerais não metálicos (16,6%) e indústrias extrativas (3,7%), influenciados pelos itens refrigerantes e maionese, no primeiro setor, cimento e ladrilhos, no segundo, e amianto no último. Em sentido contrário, metalurgia básica (-5,9%) permaneceu apontando o único resultado negativo no indicador acumulado no ano.

Na evolução dos índices quadrimestrais, o setor industrial goiano avançou 9,0% no 2º quadrimestre deste ano, ritmo de expansão menos intenso que os 26,6% registrados no 1º quadrimestre, ambas as comparações contra igual período do ano anterior, refletindo não só o comportamento mais moderado da atividade industrial nos últimos meses, mas também a elevação da base de comparação. O principal destaque do 2º quadrimestre foi para produtos químicos (42,2%) e minerais não metálicos (13,7%). Tabela 2

 

Tabela 2

Estado de Goiás: Pesquisa Industrial

(Base: Igual Trimestre do Ano Anterior = 100)

Segmentos

2010

1º quadrimestre

2º quadrimestre

Indústria geral

26,6

9,0

     Indústria extrativa

3,7

3,8

 Indústria de transformação

29,0

9,5

Alimentos e bebidas

11,5

3,5

Produtos químicos

176,5

42,2

Minerais não metálicos

20,1

13,7

Metalurgia básica

3,1

-13,1

 

 

 

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria

 

A trajetória da produção industrial Goiana tem sido positiva ao longo de 2010, chegando a crescer a taxas de dois dígitos, como foi no período de janeiro a maio, quando registrou taxa média de 25,86%, em agosto começou a desacelerar. No primeiro semestre do ano, aumentou 21,0% e, nos dois primeiros meses do segundo semestre (julho e agosto), 13,9% – sempre na comparação com o mesmo período de 2009. Goiás vem registrando taxas positivas na indústria por dez meses consecutivos desde novembro de 2009, atingindo no período de doze meses 12,9%, variação acima da média nacional (9,8%).

 

 

Equipe de Conjuntura da Seplan:
Dinamar Ferreira Marques
Marcos Fernando Arriel
Maria de Fátima Mendonça Faleiro Rocha
Daniela Vieira de Oliveira
Eduiges Romanatto

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.