Emprego formal em Goiás registra o melhor saldo para o primeiro semestre

 
Em junho, o estado de Goiás gerou mais 8.073 vagas formais, correspondente a uma variação de 0,82% em relação ao estoque de assalariados em maio, segundo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O resultado é o segundo melhor da série histórica para o mês e foi alavancado pela construção civil, indústria de transformação e serviços.
No primeiro semestre de 2010 o estado de Goiás acumulou 70.155 novos empregos com carteira assinada, o equivalente a expansão de 7,63% no estoque de empregos formais, representando o segundo melhor resultado do país em termos relativos, perdendo apenas para Rondônia. O crescimento expressivo do mercado formal de trabalho neste semestre está associado à expansão na produção na indústria de alimentos e bebidas, especialmente as atividades ligadas ao processamento de cana de açúcar, ao ambiente favorável para construção civil, propiciado pelo acesso ao crédito e pela construção da ferrovia Norte Sul, e ainda expansão do setor de serviços, impulsionado pelo aumento na renda das pessoas.  

Gráfico 1
Estado de Goiás: Saldo – Admitidos/Desligados – 2009/10
 
Fonte: MTE/Cadastro Geral de Empregados e Desempregados lei 4.923/65
 
Gráfico 2
Estado de Goiás: Saldo – Admitidos/Desligados – Primeiro Semestre - 2000/10
 Fonte: MTE/Cadastro Geral de Empregados e Desempregados lei 4.923/65
 
 
 
Setores de atividades
Com exceção de serviços industriais de utilidade pública (-35 vagas) e administração pública (-33 vagas), as demais principais atividades econômicas apresentaram elevação no número de empregados com carteira assinada em junho deste ano. Em termos absolutos, as principais atividades produtivas que tiveram desempenho positivo foram: construção civil (2.270 vagas), estimulada por construção de rodovias e ferrovias e obras de terraplanagem; indústria de transformação (2.240 vagas), impulsionada por fabricação de automóveis, camionetas e utilitários e fabricação de conservas de legumes e outros vegetais; e serviços, influenciado por transporte rodoviário de carga e limpeza em prédios e em domicílios.
Comportamento semelhante foi verificado no primeiro semestre de 2010, quando as principais atividades econômicas, com exceção de serviços industriais de utilidade pública, apresentaram elevação, destaque para a indústria de transformação, que foi responsável por 40,33%% da abertura de novas vagas no mercado formal de trabalho. Em seguida veio serviços, com 18,82%, construção civil, com 17,00% e agropecuária, com 16,01% do total de empregos gerados nos primeiros seis meses em Goiás.
Em primeiro lugar na geração de empregos no semestre, em termos absolutos, a indústria de transformação foi influenciada em grande medida pelas atividades ligadas a alimentos e bebidas (28.297 vagas), em especial os ramos de produção de álcool e açúcar. Já as atividades de serviços, construção civil e agropecuária, foram influenciadas por transporte rodoviário de carga, construção de edifícios e cultivo de cana de açúcar, respectivamente.
Tabela 1
Estado de Goiás: Saldo – Admitidos/Desligados por setor de atividade econômica – 2009/10
Setores
jun/10
No ano
Em 12 meses
Adm
Desl
Saldo
Var. Estoque (%)
Adm
Desl
Saldo
Var. Estoque (%)
Adm
Desl
Saldo
Var. Estoque (%)
Extrativa mineral
263
200
63
0,86
1.701
894
807
12,35
2.570
2.072
498
7,21
Indústria de transformação
11.935
9.695
2.240
1,03
80.358
52.061
28.297
14,79
132.392
116.222
16.170
7,71
Prod minerais não metálicos
802
577
225
1,85
4.331
3.322
1.009
8,88
7.769
6.609
1.160
10,41
Metalúrgica
562
508
54
0,47
3.455
2.715
740
6,81
6.421
5.340
1.081
10,75
Mecânica
309
322
-13
-0,27
1.960
1.535
425
9,86
3.447
2.868
579
14,1
Material elétrico e comunicação
70
45
25
2,88
343
280
63
7,65
581
498
83
11,79
Material de transporte
528
192
336
6,55
1.970
789
1.181
27,57
2.870
1.227
1.643
44,04
Madeira e mobiliário
499
411
88
1,03
2.738
2.278
460
5,64
5.019
4.122
897
12,82
Papel, papelão, editorial e gráfica
342
316
26
0,34
2.124
1.912
212
2,86
4.044
3.587
457
6,25
Borracha, Fumo e Couros
446
229
217
3,57
1.975
1.426
549
9,59
3.422
2.645
777
12,52
Químico, Prod Farmacêutico e Veterinário
1.210
958
252
1,05
6.645
5.168
1.477
6,5
12.663
9.661
3.002
14,1
Têxtil e vestuário
1.527
1.210
317
1,23
7.582
6.327
1.255
5,09
14.428
13.099
1.329
5,31
Calçados
64
75
-11
-0,77
341
461
-120
-7,78
811
831
-20
-1,29
Prod Alimentícios e Bebidas
5.576
4.852
724
0,66
46.894
25.848
21.046
23,52
70.917
65.735
5.182
4,65
Serviço industrial de utilidade pública
119
154
-35
-0,4
813
1.303
-490
-5,38
1.669
2.239
-570
-6,14
Construção civil
9.649
7.379
2.270
2,62
50.404
38.478
11.926
15,65
87.330
77.368
9.962
14,49
Comércio
11.751
10.803
948
0,42
67.131
62.200
4.931
2,26
131.653
119.465
12.188
5,81
Com varejista
10.052
9.208
844
0,45
56.825
52.688
4.137
2,25
111.736
101.360
10.376
5,89
Com atacadista
1.699
1.595
104
0,29
10.306
9.512
794
2,29
19.917
18.105
1.812
5,39
Serviços
14.431
12.392
2.039
0,62
89.442
76.238
13.204
4,15
165.263
144.974
20.289
6,58
Inst financeiras
215
131
84
0,7
1.065
815
250
2,11
1.999
1.630
369
3,08
Com. e adm imóveis
4.088
3.285
803
1,04
24.759
21.760
2.999
4,03
47.739
40.918
6.821
10,02
Transporte e Comunicação
2.542
2.025
517
1,11
15.092
12.090
3.002
6,82
27.368
23.748
3.620
8,33
Alojamento, alimentação
5.884
5.271
613
0,47
35.848
31.551
4.297
3,41
66.333
59.220
7.113
5,87
Médicos e odontológicos
876
797
79
0,25
5.468
4.543
925
3,05
9.965
8.586
1.379
4,7
Ensino
826
883
-57
-0,17
7.210
5.479
1.731
5,46
11.859
10.872
987
2,89
Administração pública
26
59
-33
-0,14
702
451
251
1,09
985
726
259
2,37
Agropecuária
5.712
5.131
581
0,66
39.259
28.030
11.229
14,73
68.756
67.913
843
0,96
Total
53.886
45.813
8.073
0,82
329.810
259.655
70.155
7,63
590.618
530.979
59.639
6,55
Fonte: MTE/Cadastro Geral de Empregados e Desempregados lei 4.923/65
 
Os dados do balanço do primeiro semestre, divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego, também possibilita verificar o comportamento do emprego formal por grau de instrução e remuneração, por atividade econômica no estado (tabelas 2 e 3). No tocante ao grau de instrução, constatou-se que houve ganho de postos de trabalhos em todos os níveis (tabela 2), mas o maior número de vagas foi apurado entre os que possuíam ensino médio completo (23.084 vagas) e trabalhadores que estão na faixa do 6º ao 9º ano (11.345 vagas). Já nas faixas de rendimentos, em salários mínimos (tabela 3), observou-se que o maior volume de saldo positivo (admitidos-desligados) ficou situado nas três primeiras faixas, que vão até um e meio salário mínimo, fato explicado pela crescente geração de empregos nas atividades ligadas aos setores sucroalcooleiro e construção civil, que tradicionalmente empregam trabalhadores com remuneração mais baixa.
 
Tabela 2
Estado de Goiás: Saldo do emprego formal, por grau de instrução, segundo setores de atividades econômicas – 1º Semestre/2010
Grau de Instrução
Extrativa mineral
Indústria de transf
Serv ind de util pública
Constr civil
Comércio
Serviços
Adm pública
Agropecuária
Total
Analfabeto
-6
546
-5
179
-41
64
-1
512
1.248
Até o 5º ano incompleto
10
3.236
-112
1.296
29
350
-11
2.034
6.832
5º ano completo
32
2.087
-91
1.202
-20
96
0
1.294
4.600
Do 6º ao 9º ano
72
6.304
-154
2.169
9
183
41
2.721
11.345
Ensino fundamental completo
104
3.138
3
2.150
105
1.411
92
1.880
8.883
Ensino médio incompleto
50
3.557
-49
1.692
687
1.924
44
1.061
8.966

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.