Comércio goiano varejista cresce 1,3% no 1º trimestre de 2009.

Os resultados do comércio varejista foram positivos no mês de março e no primeiro trimestre. No mês, no Estado de Goiás, houve um crescimento de 1,9% no volume de vendas e de 7,7% na receita nominal, em relação a março do ano anterior. No 1º trimestre do ano, essas taxas foram de 1,3% e 6,9%. Também no trimestre, os setores com melhor desempenho foram “Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos” (10,9%) “Outros artigos de uso pessoal e doméstico” (24,2%) e “Combustíveis e Lubrificantes” (5%). Os outros setores ou apresentaram crescimento muito próximo de zero ou crescimento negativo.

No geral, o comércio vem apresentando tendência de queda desde o início do segundo semestre de 2008, conforme se pode visualizar no gráfico de média móvel de 3 meses (gráficos abaixo) que captura o comportamento conjuntural. Contudo, esse efeito conjuntural também já impacta na tendência de médio prazo como se percebe na média móvel de 12 meses. Esse comportamento é paralelo para o comportamento das receitas do comércio embora com elasticidade menor. Ou seja, tanto vendas quanto receita de vendas vêm apresentando tendência de queda.

Um segmento que apresentou um resultado fraco foi o de tecidos, vestuários e calçados, com queda no volume de vendas de -2%, e incremento de receita de 4,9% no trimestre. Isso reflete o desaquecimento do consumo das famílias por esses bens. Cabe observar que a queda nas vendas do trimestre tem influência muito forte da queda que ocorreu em março (-8,4%), mês em que os preços apresentam elevações por ser um período de lançamento da coleção outono-inverno, além de ser uma época em que já não ocorrem tantas liquidações de queima de estoque.

Outro segmento que cabe observações é o de “perfumaria e cosméticos” junto com “outros artigos de uso pessoal e doméstico” que apresentaram crescimento de 10,9% e 24,2%, respectivamente. Juntando-se a esses o setor de hipermercados e supermercados (0,8%), percebe-se que, no trimestre, o consumo das famílias ainda é determinante para o comportamento positivo do comércio goiano já que tais setores possuem participações importantes.

 

 

Tabela 1

Estado de Goiás e Brasil: Variação de volume de vendas no comércio varejista e

ampliado – março e 1º trimestre de 2009

Segmentos

Variação (%)

Brasil

Goiás

Março

1º Trim.

Março

1ºTrim.

Comércio varejista  geral

1,8

3,8

1,9

1,3

Combustíveis e Lubrificantes

4,2

3,0

-1,7

5,0

Hipermercados supermercados produtos alimentícios, bebidas e fumo

0,7

4,3

2,7

0,9

Hipermercados e Supermercados

0,3

4,0

2,7

0,8

Tecidos, vestuários e calçados

-8,2

-6,6

-8,4

-2,0

Móveis e eletrodomésticos

-0,9

1,3

0,2

-4,1

Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos

15,2

12,1

13,4

10,9

Livros, jornais, revistas e papelaria

10,5

12,3

-5,1

-1,7

Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação

18,0

15,0

-1,8

-16,9

Outros artigos de uso pessoal e doméstico

5,0

6,6

9,8

24,2

Veículos, motores, partes e peças*

17,0

5,9

17,1

6,1

Material de construção*

-4,1

-9,8

-10,0

-12,4

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.

* Comércio varejista ampliado

           

 

 

 

Tabela 2

Estado de Goiás e Brasil:Variação da receita nominal de vendas no comércio

varejista ampliado – março e 1º trimestre de 2009

Segmentos

 

Variação (%)

Brasil

Goiás

Março

1º Trim

Março

1ºTrim.

Comércio varejista geral

7,8

9,9

7,7

6,9

Combustíveis e Lubrificantes

5,9

4,9

0,9

7,4

Hipermercados supermercados produtos alimentícios, bebidas e fumo

8,8

13,1

12,0

10,1

Hipermercados e Supermercados

8,3

12,7

11,9

10,0

Tecidos, vestuários e calçados

-1,0

0,4

-1,2

4,9

Móveis e eletrodomésticos

0,3

1,2

2,0

-3,3

Artigos farmacêut., médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos

20,6

17,1

19,4

15,6

Livros, jornais, revistas e papelaria

14,2

15,6

-2,3

1,8

Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação

11,8

7,2

-10,0

-22,3

Outros artigos de uso pessoal e doméstico

14,0

15,5

15,4

30,3

Veículos, motores, partes e peça*s

11,0

1,2

9,6

1,1

Material de construção*

9,3

2,9

2,6

-0,3

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.

* Comércio varejista ampliado

 

 

 

 

 

 

 

Equipe de Conjuntura da Seplan:

Dinamar Ferreira Marques

Marcos Fernando Arriel

 

 

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.