PNAD 2011: Uma análise comparada Brasil - Estado de Goiás


A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2011, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apresenta dados importantes sobre as características gerais da população, educação, trabalho, rendimento, habitação e outras. A pesquisa é de caráter socioeconômico, e apresenta enfoque urbano, além disso, é realizada de forma periódica, portanto, permite comparabilidade, fator determinante para avaliar a evolução dos indicadores.

 

Dados gerais sobre a população residente

 

Conforme a pesquisa, no ano de 2011 a população brasileira residente totalizou 195,2 milhões de pessoas. A observação estratificada dessa população por faixa etária mostra que 76,8% dos brasileiros fazem parte da população em idade ativa, a qual segundo o IBGE ocorre a partir dos 15 anos de idade, o que comprova que mais da metade da população estava em idade ativa para exercer atividades laborais. No mesmo período a população do estado de Goiás foi de 6,2 milhões de habitantes, o que representa 3,2% da população nacional. A análise estratificada por faixa etária da população goiana mostra que a distribuição dos grupos é semelhante a do Brasil - os goianos em idade ativa representaram 77,0% do total de habitantes. É necessário ressaltar que em relação ao ano de 2009 não foi observado variações relevantes na estrutura da população goiana, conforme tabela1.

 

Tabela 1 - Brasil e Estado de Goiás: População residente, por grupos de idade - 2009/2011 (1.000 pessoas)

Variável

2009

2011

Brasil

Goiás

Brasil

Goiás

Total

191.792

100,0

6.053

100,0

195.243

100,0

6.218

100,0

0 a 4 anos

13.411

7,0

446

7,4

13.319

6,8

438

7,0

5 a 9 anos

15.635

8,2

503

8,3

14.937

7,7

474

7,6

10 a 14 anos

17.435

9,1

555

9,2

17.192

8,8

522

8,4

15 a 19 anos

16.928

8,8

533

8,8

17.051

8,7

507

8,2

20 a 24 anos

16.481

8,6

528

8,7

16.027

8,2

535

8,6

25 a 39 anos

45.350

23,6

1.511

25,0

46.391

23,8

1.596

25,7

40 a 59 anos

44.826

23,4

1.374

22,7

46.791

24,0

1.478

23,8

60 anos ou mais

21.726

11,3

604

10,0

23.536

12,1

667

10,7

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2009/2011.

Elaboração: Segplan-GO / IMB / Gerência de Contas Regionais e Indicadores – 2012.

 

Famílias residentes

No que se refere às famílias residentes em domicílios particulares no Brasil, no ano de 2011 foram contabilizados 64,4 milhões, das quais 37,4% eram chefiadas por mulheres, ocorrendo assim, um aumento de 10,3% em relação ao ano de 2009. Do total de famílias, 72,3% foram consideradas economicamente ativas, ou seja, estavam ocupadas no período da pesquisa em 2011, na comparação com o ano de 2009, verificou-se uma redução de 0,7%. Por outro lado, nas famílias não economicamente ativas houve crescimento de 15,7%, representando 27,9% das pessoas de referência dos domicílios.

No estado de Goiás, no mesmo ano residiam 2,1 milhões de famílias, das quais 33,3% tinham como responsável pelo domicílio a mulher, houve queda de 0,6% em relação ao ano de 2009. Enquanto no Brasil, observou-se aumento no número de famílias que tinham as mulheres como chefe do domicílio. O percentual de famílias classificadas como economicamente ativas em 2011 foi de 77,1%, isso representou aumento de 4,4% em relação ao ano de 2009, nas não economicamente ativas também foi constatado aumento relevante, na ordem de 18,3%.

Essas informações levam a algumas reflexões a respeito das famílias, no estado de Goiás. As famílias lideradas por mulheres diminuíram, uma tendência diferente do Brasil. Em relação à ocupação houve aumento nas famílias economicamente ativas, porém menos acentuado que o aumento verificado nas não economicamente ativas, esse movimento pode ser um resultado dos programas assistenciais de transferência de renda dos governos.



 

 

 

Posse de alguns bens duráveis

O acesso a alguns bens duráveis nos domicílios é resultado direto do incremento na renda, segundo a pesquisa da PNAD de 2011. No Brasil, os bens que sofreram maior variação positiva quanto à aquisição foram: microcomputador, 29,7%, motocicleta 23,0% e máquina de lavar 20,3%. No estado de Goiás as variações positivas foram em: máquina de lavar 58,5%, microcomputador 44,8% e carro 25,5%. A melhoria na renda da população leva as pessoas a buscarem maior conforto, assim bens que antes eram considerados supérfluos e inacessíveis ganham importância e passam a ser acessíveis.

 

 

Tabela 2 - Brasil e Estado de Goiás: Domicílios particulares permanentes, por existência de alguns bens duráveis, segundo as Unidades da Federação - 2009/2011 (1.000 domicílios)

Variável

2009

2011

Brasil

Goiás

Brasil

Goiás

Total

58.566

100,0

1.890

100,0

61.292

100,0

2.036

100,0

Fogão

57.615

98,4

1.874

99,1

60.447

98,6

2.022

99,3

Filtro de água

30.070

51,3

1.323

70,0

32.617

53,2

1.455

71,5

Geladeira

54.647

93,3

1.817

96,1

58.690

95,8

1.997

98,1

Freezer

8.952

15,3

265

14,0

10.077

16,4

297

14,6

Máquina de lavar roupa

25.967

44,3

560

29,6

31.250

51,0

888

43,6

Rádio

51.427

87,8

1.551

82,1

51.135

83,4

1.609

79,0

Televisão

55.986

95,6

1.809

95,7

59.381

96,9

1.975

97,0

DVD

42.085

71,9

1.326

70,1

46.298

75,5

1.497

73,5

Micro - computador

20.284

34,6

552

29,2

26.307

42,9

800

39,3

Carro

21.909

37,4

740

39,2

25.096

40,9

929

45,6

Motocicleta

9.495

16,2

453

24,0

11.679

19,1

487

23,9

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2009/2011.

Elaboração: Segplan-GO / IMB / Gerência de Contas Regionais e Indicadores – 2012.

 

 

 

Acesso a alguns serviços

 

No caso dos domicílios particulares permanentes que têm acesso aos serviços pesquisados, foi observado que do total desses domicílios, o serviço mais disseminado foi o de iluminação elétrica, que atendia 99,3% dos domicílios do Brasil, em seguida veio o acesso ao telefone com 89,9%. Deve ser observado que este serviço foi o que apresentou maior expansão, de 2009 para 2011, quando foram agregados 5,8 milhões de usuários. Em terceira ordem de importância veio serviço de coleta de lixo que atendia em 2011 88,8% dos domicílios.

Em Goiás dentre os 2,036 milhões de domicílios com cobertura dos serviços, o de iluminação elétrica foi o mais significativo, atendia 99,7% dos domicílios, em segundo lugar o de coleta de lixo, com 93,1%, e por último o acesso ao telefone, onde foi verificado que 92,5% dos domicílios são atendidos por esse tipo de serviço.

A pesquisa de serviços em muitos casos revela a atuação do governo na disponibilização de serviços para os domicílios em geral, dessa forma, a PNAD de 2011 mostrou que em relação ao ano de 2009 houve aumento na cobertura de domicílios atendidos pelos serviços, tanto para o Brasil, como para Goiás. É necessário frisar que o serviço de telefonia leva em consideração a existência de aparelho fixo ou móvel no domicílio, e que a expansão deste serviço pode ser atribuída à atuação das empresas privadas que atuam em regime de concessão.

 

Tabela 5 - Brasil e Estado de Goiás: Domicílios particulares permanentes, atendidos por alguns serviços - 2009/2011 (1.000 domicílios)

Variável

2009

2011

Brasil

Goiás

Brasil

Goiás

Total

58.566

100,0

1.890

100,0

61.292

100,0

2.036

100,0

Rede geral de abastecimento de água

49.325

84,2

1.548

81,9

51.844

84,6

1.716

84,3

Rede coletora de esgoto

30.720

52,5

687

36,3

33.661

54,9

828

40,7

Fossa séptica ligada à rede coletora

3.847

6,6

37

2,0

4.693

7,7

69

3,4

Coleta de lixo

51.784

88,4

1.717

90,8

54.422

88,8

1.895

93,1

Iluminação elétrica

57.893

98,9

1.884

99,7

60.879

99,3

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.